http://www.institutozenmaitreya.org.br/2019/04/zen-shiatsu.html

segunda-feira, 23 de setembro de 2019

CINE ZEN



A VIDA DO MESTRE DOGEN



Dogen, ou Dogen Zenji (1200-1253), é o patriarca que trouxe da China para o Japão a tradição Sotô Zen, sendo considerado atualmente um dos maiores pensadores japoneses e um escritor com um estilo único e incomparável. Sua obra principal é o Shôbôgenzõ, com 95 capitulos, abrangendo numerosos aspectos dos seus ensinamentos. Fundou a Abadia de Eihei-ji, sede central da Sotô Zen, e a sua vida se confunde com o legado que deixou.
Dogen pertencia à aristocracia japonesa e consta que seu pai foi ministro. Objeto de  intrigas palacianas, foi assassinado quando tinha dois anos de idade. Dogen era considerado um menino-prodígio. Lia poesia chinesa aos cinco anos de idade e aos nove anos iniciou a leitura do Abhidharmakosha de Vasubhandu. Perdeu a mãe aos oito anos de idade e aos 13 anos partiu para um mosteiro Tendai em Kyoto , decidido a ser um monge budista.
Em 1223 Dogen parte para a China onde aprenderá o budismo da tradição T’sao Tung, Sotô Zen, tendo alcançado o Despertar sob a direção do mestre Rujing. Dogen não tinha ficado satisfeito com as respostas às suas perguntas nas diversas escolas de budismo existentes no Japão. A sua principal dúvida era “As escolas de budismo ensinam que todos os seres humanos são dotados da Natureza de Buda. Se isto é verdade, por que os Budas de todas as épocas — indubitavelmente iluminados — ensinam que é necessário buscar a iluminação e engajar-se em práticas espirituais?”
Dogen seguiu a sua prática na China sob a direção espiritual do mestre Rujing, e teve sua Iluminação com a experiência de “Abandonar corpo-e-mente” (Shin Jin Datsu Raku). Em 1225 regressou ao Japão e iniciou os ensinamentos da tradição Sotô Zen com sua ênfase na prática do zazen.
No filme A vida do Mestre Dogen, podemos acompanhar a vida e a obra deste grande mestre zen. O Instituto Zen Maitreya Zendo Diamante pertence à tradição  Sotô Zen, a principal tradição do zen japonês existente no Brasil e na America do Sul. O IZMZD é uma instituição inteiramente baseada nos ensinamentos de Dogen. O filme apresenta uma introdução à vida e ao pensamento desta grande personalidade histórica do zen e da cultura japonesa. Após a exibição haverá uma fala entre o monge Seikaku e os assistentes visando esclarecer dúvidas a respeito do filme.

quinta-feira, 25 de julho de 2019

O DHARMA NA RODA

 CICLO DE PALESTRAS 





Inicio: 28 de setembro, das 19h30min às 21h

Palestrante: Prof. Dr. Carlos Naconecy (DaiSei ZenShin)

Título: "Animais e seres vivos sob o olhar da ética"

Local: Rua Riachuelo, 301 - Centro Histórico - Porto Alegre - RS

Email: institutozenmaitreya@gmail.com

Contribuição sugerida : R$ 20,00


CURRICULO

Carlos Naconecy é filósofo (UFRGS), mestre e doutor em filosofia (PUCRS). Especialista em Ética Animal e em Ética da Vida. Foi pesquisador visitante no Animal Welfare and Human-Animal Interactions Group da Universidade de Cambridge, Inglaterra. Membro do Oxford Centre for Animal Ethics. Consultor do Journal of Animal EthicsEx-coordenador de Ética da Sociedade Vegetariana Brasileira. Dentre outras publicações, é autor do livro Ética & Animais, edipurs, 2006.








segunda-feira, 15 de julho de 2019

CURSO COM PROF. DR. JOAQUIM MONTEIRO

Introdução à História do Budismo na China 



Como 
10 aulas, nas segunda-feiras, inicio dia 07 de outubro de 2019, das 19h30 às 21h.

Aulas
MESES
DIAS
DIAS
DIAS
DIAS
Outubro
7
14
28

Novembro
4
11
18
25
Dezembro
02
09
16


Local
Instituto Zen Maitreya, Rua Riachuelo, 301 - Centro Histórico, Porto Alegre - RS
(próximo à Usina do Gasômetro)

Coordenação
Prof. Dr. Joaquim Monteiro

Investimento
R$200,00. Pagamento via depósito bancário ou na secretária do Instituto Zen Maitreya.
Depósito Banco Banrisul, Agência 0032, Conta 39.069426.0-7 (conta poupança)
Dados: José Celso Aquino Marques, CPF 500.158.508-20 (enviar comprovante para o e-mail institutozenmaitreya@gmail.com).


  • Inscrições até 01 de outubro terão um desconto de 10%. 
  • Material de apoio: entregue no ato da inscrição, via e-mail. 
  • Fornecimento de certificado de conclusão do curso para os que tiverem no mínimo 70% de presença.
Inscrições
institutozenmaitreya@gmail.com
Aberto ao público em geral, sem pré-requisitos.



Joaquim Antônio Bernardes Carneiro Monteiro possui graduação em psicologia pela Universidade Santa Úrsula.RJ (1983), Mestrado em Budismo chinês pela Universidade de Komazawa, Tóquio, Japão (1997) e Doutorado em Budismo chinês pela mesma Universidade. (2001). Foi pesquisador do Instituto de estudos da cultura budista da Universidade Doho, Nagoya (1988-2003), Ensinou no Departamento de estudos budistas da Universidade de Komazawa (2001-2003), lecionou língua japonesa no Departamento de japonês da Universidade I-Show, Kaohsiung, Taiwan (2003-2005) e foi bolsista da Capes e Professor visitante na Coordenação de Pós-graduação em ciências das religiões da Universidade Federal da Paraíba, UFPB. (2013-2017). Dedica-se atualmente à tradução da literatura do Abhidharma Sarvãstivãda preservada em Mandarim e de obras da filosofia japonesa moderna e contemporânea.


INTRODUÇÃO À HISTÓRIA DO BUDISMO CHINÊS

1.     Introdução Geral
2.     O Dão de Jing, a filosofia do Dão e do Li e o conceito das duas verdades
3.     O conceito das duas verdades nos mestres do Satya-siddhi
4.     O conceito das duas verdades na escola dos três tratados
5.     O conceito das duas verdades no “Tratado do despertar da fé do Mahayana”
6.     A formação e o desenvolvimento do Chan
7.     Shan-dao e o Budismo da Terra Pura
8.     O Budismo da modernidade chinesa: a “Escola chinesa dos estudos internos”
9.     O Budismo da modernidade chinesa: o pensamento de Yin-shun
10.  Resumo e conclusão

Bibliografia :

- A Espiritualidade Budista, vol. 1, Índia, Sudeste Asiático, Tibete e China Primitiva,   Takeushi Yoshinori (org.), em associação com Jan van Bragt, James W. Heisig, Joseph S. O’Leary e Paul L. Sanson, Editora Perspectiva, 2006.

- Budismo Yogacãra – uma introdução, editora UFPB, 2015, Joaquim Monteiro.

- História do Pensamento Chinês, Anne Cheng, Editora Vozes, 2008.


- A sabedoria da India e da China, vol. I e II, Lin Yutang, Irmãos Pongetti, 1959.

- O Mundo Chinês, vol. I e II, Jacques Gernet, Edições Cosmos, 1974.

- A Filosofia Chinesa, Max Kaltenmark, Edições 70, 1971.

- Introdução à Filosofia Chinesa, Karyn L. Lai, Editora Madras, 2009.

- Introdução à Filosofia Chinesa Clássica, Bryan W. Van Norden, Editora Vozes, 2018.

quarta-feira, 13 de março de 2019

YOGA com Mercedes Bode

Todas as quartas-feiras, das 08h 30min e nas quintas-feiras às 19h, a professora Mercedes Bode oferece aulas práticas de Yoga no Instituto Zen Maitreya.



Dakshina Tantra são exercícios das posturas do Yoga (asanas) e são feitas de acordo com as necessidades de cada praticante, em termos orgânicos e de bloqueios de energia dos chacras.

As aulas são regulares, e o valor é R$ 180,00 (mensal), uma vez por semana, ou R$ 50,00 a aula avulsa. 20% de desconto para estudante.

Forma de pagamento: Depósito Banco Banrisul, Agência 0032, Conta 39.069426.0-7 (conta poupança) Dados: José Celso Aquino Marques, CPF 500.158.508-20 (enviar comprovante para o e-mail institutozenmaitreya@gmail.com).


MERCEDES VASCONCELLOS BODE

Uma das primeiras mestras de Yoga de Porto Alegre iniciou os trabalhos com Hatha Yoga na década de 70, a partir do contato com seu primeiro mestre Cosmelli. Na década de 80, com os mestres Paulo Murilo Rosas e Glória Arieira, iniciou os estudos de Vedanta e Dakshina Tantra, práticas e estudos que desenvolve até hoje. Dirige a escola de Yoga Ganesha Puja, há mais de 25 anos. Estuda simbolismo e mitologia Hindu e faz viagens regulares em grupos de estudos para Índia.

quarta-feira, 24 de outubro de 2018

Carta Aberta sobre Valores Humanos e Ambientais no Brasil


Carta Aberta sobre Valores Humanos e Ambientais no Brasil
Outubro de 2018


Em 21 de Outubro de 2018, o Centro de Estudos Budistas Bodisatva (CEBB), na sua sede em Viamão, Rio Grande do Sul, convidou representantes de diferentes organizações religiosas, movimentos sociais, entidades não governamentais, representantes do poder público, lideranças indígenas e pessoas em geral, com a presença de cerca de 100 pessoas no local e 200 acompanhando virtualmente, para uma conversa aberta sobre a promoção dos valores humanos e ambientais no contexto político e social atual.
Acreditamos que, especialmente em tempos de acirramentos e tensões, é importante enfatizarmos a continuidade de diálogos abertos entre diferentes pessoas e setores da sociedade, a fim de constituir terreno comum entre as diferentes visões religiosas e não religiosas, filosóficas, científicas, políticas e sociais, que nos guiem à ação a partir de valores e princípios elevados. No movimento do CEBB, esse encontro constitui mais um capítulo de encontros abertos sobre cultura de paz, saúde, educação, auto-organização, reencantamento e redes, que acontecem aqui desde o ano 2000.
A partir das conversas neste dia, convergimos em alguns valores fundamentais que acreditamos ser importante retomar e sustentar neste momento. Eles podem ser sumarizados nos seguintes pontos:

1. Vida humana sustentável e preciosa. Bem-estar físico, emocional e social. Redes humanas assentadas em compaixão, pacificação, valorização, respeito e lucidez.
2. Cultura de paz, em todos os níveis e em todos os lugares. Nos opomos a posturas autoritárias, sectárias, armamentistas e violentas nas disputas políticas e no convívio social. Que não seja uma paz de conivência silenciadora, mas a paz que nos permite falar e ouvir com abertura e interesse. Nos opomos a visões e não a pessoas; não temos inimigos.
3. Justiça social e liberdade. Acesso amplo às condições básicas (físicas, emocionais e sociais) de apoio à vida: infraestrutura básica; alimentação de qualidade; saúde integrada e preventiva; segurança física e emocional; justiça ampla e restaurativa; educação que inclua o livre pensar, o respeito à diversidade, o mundo interno e as emoções; liberdade de movimento, pensamento e expressão.
4. Movimentos não sectários. Valorização das diferentes culturas e expressões que compõem nossa sociedade, incluindo os povos tradicionais, as expressões e modos de vida de matriz africana, as diferentes culturas e religiões, as mulheres, as diferentes expressões de gênero, sexualidade e afeto. Uma postura que vá além da tolerância: que inclua generosidade, respeito e um interesse genuíno por todos os humanos.
5. Proteção, apreciação e reconexão com o meio ambiente, a partir da consciência da interdependência entre toda a vida na Terra e da compreensão dos impactos de nossos movimentos nos diferentes grupos humanos, nos animais e vegetais, na terra, nas águas e na atmosfera. Socio-bio-diversidade; proteção dos ecossistemas; defesa de práticas agrícolas familiares, saudáveis, orgânicas, integradas ao meio ambiente e às culturas tradicionais.
6. Auto-organização e redes. Favorecimento da formação de redes baseadas em solidariedade, apoio mútuo e visões não sectárias de coletividade. Construção de espaços múltiplos de diálogo, de associações comunitárias, de fomento de projeto e de ações construídas coletivamente de forma horizontal e descentralizada.
7. Democracia participativa: participação mais ampla da sociedade em conselhos municipais, estaduais e federais. Comunicação pública mais ampla e transparente entre governos e sociedade civil. Mais espaços de abertura para que a inteligência das diferentes redes possa se traduzir em políticas públicas responsáveis e efetivas.

Fazemos coro a diversas outras instituições que, neste momento de acirramento político e de disputa eleitoral, relembram compromissos e aspectos que deveriam estar presentes em quaisquer grupos que governem o país e os estados pelos próximos anos. Acreditamos que os candidatos deveriam esclarecer suas posições diante desses valores humanos, sociais e ambientais, bem como suas proposições, metas concretas e indicadores que planejam para seus governos. Para além disso, reafirmamos nosso esforço contínuo, individual e em rede, para que a manifestação desses valores e princípios sejam ampliados e consolidados em nosso tecido social.

Viamão, 21 de outubro de 2018

Subscrevem este documento:

Centro de Estudos Budistas Bodisatva (CEBB)
Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (CONIC)
Fórum Nacional Permanente do Ensino Religioso (FONAPER)
Instituto de Estudos da Religião (ISER)
Iniciativa das Religiões Unidas (URI)
Observatório Transdisciplinar das Religiões de Recife
Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural (AGAPAN)
Via Zen -- Associação Zen-budista do Rio Grande do Sul
Instituto ZEN Maitreya
Tekoá Anhetenguá (Guarani)
Assentamento Filhos de Sepé:
Grupo ‘Mulheres da Terra’,
Grupos de Certificação Orgânica ‘Vandana Shiva’ e ‘Adão Pretto’

quinta-feira, 18 de outubro de 2018

ZAZENKAI no INSTITUTO ZEN MAITREYA

Retiro de um dia com Monge Seikaku e Ricardo Ensho 

Participação da mestra de Yoga Mercedes Bode



DATA
Sábado e domingo, 10 e 11 de novembro de 2018

LOCAL
Rua Riachuelo 301 e 305 – Centro Histórico - Porto Alegre-RS

VAGAS LIMITADAS 

VALOR SUGERIDO: R$ 140,00 (cento e quarenta)
O pagamento poderá ser realizado mediante depósito bancário Banrisul, Agencia 0032, Conta 39.069426.0-7 (José Celso Aquino Marques) ou diretamente no Instituto Zen Maitreya, das 9h às 12h de segunda à sexta-feira.

INCRIÇÕES: institutozenmaitreya@gmail.com
As inscrições são efetuadas enviando o formulário de inscrição (abaixo) pelo e-mail institutozenmaitreya@gmail.com até o dia 09 de novembro, às 12h

____________________________________________________

CRONOGRAMA:

SÁBADO
18:00 Zazen 40’
18:40 Orientações aos participantes do Zazenkai

DOMINGO
07:30 Recepção e orientações
08:00 Alongamento (técnicas corporais)
09:00 Zazen 30’ (meditação sentada)
Tchôka (cerimônia matinal - recitação do sutra do coração e dedicatória)
09:30 Chá e lanche
10:00 Samu
11:00 Palestra – Atenção Plena (mindfulness)
12:15 Almoço informal
13:00 Intervalo (descanso)
13:30 Zazen 20’ (meditação sentada)
Kinhin10’ (meditação caminhando)
Zazen 20’ (meditação sentada)
14:30 Palestra – Os sete fatores do despertar – Perguntas e respostas
16:00 Chá e lanche
16:30 Zazen 20’ (meditação sentada)
Kinhin10’ (meditação caminhando)
Zazen 20’ (meditação sentada)
17:30 Roda do Dharma
18:30 Encerramento

Objetivo:
O Zazenkai (mini-retiro de um dia) é uma oportunidade para vivenciar um dia de imersão nos ensinamentos e práticas meditativas da tradição Zen-budista. A essência da vivência é baseada em disciplina, atenção plena, observação do nobre silêncio, vida participativa e colaborativa, cultura da paz e atitude de acolhimento entre os irmãos de prática.

Alimentação:
Para o almoço os praticantes devem trazer um prato vegetariano para fazermos, juntos, uma refeição comunitária. Lanches também são bem vindos para o período da manhã e tarde. No Instituto prepararemos chá, café e chimarrão (o Chima Zen) para todos.

O que trazer:
Os praticantes devem trazer: roupas leves, calças compridas e folgadas, camiseta, um par de meias brancas e chinelos para utilização exclusiva no Zendo (sala de meditação).

Como se portar e vestir-se:
- Durante o retiro não é permitido o uso de bermudas, saias, tops ou camiseta regata;
- Para a prática do zazen recomenda-se a utilização de roupas folgadas para facilitar os movimentos e a circulação sanguínea, o uso de calças jeans é impróprio;
- Manter o nobre de silêncio é parte do treinamento, em caso de necessidade falar em voz baixa e no Zendo (sala de meditação) falar sussurrando ao pé do ouvido.


ATENÇÃO AOS AVISOS: 
01) O valor da inscrição R$ 140,00 (cento e quarenta reais), será destinado, em parte, para equipar a cozinha do Instituto Zen Maitreya;

02) O nobre silêncio deve ser observado durante todo o período de prática;

03) A alimentação oferecida deve ser simples e adequada para nutrir e favorecer a prática;

04) Os participantes são encorajados a participar do início ao fim do Zazenkai

05) É solicitado o uso restrito de telefone celular e eletrônicos.

______________________________________________________

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO 

Nome:
E-mail:
Telefones:
Data de Nascimento:
Restrições Alimentares:
Tem experiência com meditação? Qual técnica?
Participou de retiro? Qual?
Toma medicamentos? Quais?

(enviar para institutozenmaitreya@gmail.com)
______________________________________________________

RICARDO ENSHO

É terapeuta corporal (Zen-shiatsu) e escritor, discípulo do mestre indiano Osho e do mestre Zen-budista japonês Moriyama Roshi, de quem recebeu o nome Ensho e o grau de professor Zen. É autor do livro “Shigetsu o dedo que aponta a lua – A meditação Zen na vida diária.

MERCEDES VASCONCELLOS BODE

Uma das primeiras mestras de Yoga de Porto Alegre iniciou os trabalhos com Hatha Yoga na década de 70, a partir do contato com seu primeiro mestre Cosmelli. Na década de 80, com os mestres Paulo Murilo Rosas e Glória Arieira, iniciou os estudos de Vedanta e Dakshina Tantra, práticas e estudos que desenvolve até hoje. Dirige a escola de Yoga Ganesha Puja, há mais de 25 anos. Estuda simbolismo e mitologia Hindu e faz viagens regulares em grupos de estudos para Índia.

MONGE SEIKAKU

Pioneiro do Zen Budismo e do Movimento Ecológico no RS. Foi professor de filosofia e iniciou sua prática de Zen Budismo no Templo Busshinji SP, em 1968. Hoje é monge budista da tradição Sotô Zen, ordenado por Saikawa Roshi (superior da comunidade budista Soto Zen Shu na América Latina) e dirige o Instituto Zen Maitreya, sendo monge orientador do Zendo Diamante, além de escritor, violonista, compositor e poeta.

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

Pronunciamento público de budistas gaúchos




O Budismo deve promover a cultura da paz

Diante de notícias veiculadas na imprensa gaúcha na semana passada sobre o caso de uma jovem que foi agredida fisicamente por três pessoas na rua, tendo o corpo riscado a canivete, conforme fotografias publicadas na mídia, e que registrou a ocorrência junto à autoridade policial; bem como diante do pronunciamento do delegado de polícia responsável pela investigação do caso, que afirmou se tratar de um símbolo budista, viemos a público explicitar nossa posição:

1 - A intenção do budismo é a promoção da cultura de paz. Nesse sentido, consequentemente, repudiamos a violência em todas as suas manifestações;

2 – A interpretação dos símbolos budistas é uma atribuição exclusiva das instituições budistas que não pode nem deve ser indevidamente apropriada por agentes públicos. No caso em questão, consideramos que a manifestação do delegado, associando a motivação da agressão a um símbolo budista, promove uma justificação religiosa que, na forma como foi expressa, induz indevidamente à violência, sendo um exercício abusivo da sua autoridade com sérias repercussões danosas ao budismo e à sociedade, induzindo a opinião pública à errônea interpretação dos fatos.

Assim, consideramos importante uma retratação pública da autoridade policial e medidas concretas do Governo do Estado em relação à omissão que vem apresentando no sentido de garantir a segurança da população no atual quadro de acirramento crescente de casos de violência neste período eleitoral.

Porto Alegre, 15 de outubro de 2018.

Monge Seikaku (Celso Marques) – membro da ordem Soto Zen - coordenador do Instituto Zen Maitreya
Joaquim Monteiro – ministro do Dharma - Honpa Honganji